Seu e-mail foi cadastrado com sucesso

 
 
2 a 11 anos
0 a 23 meses
declaro que li e concordo com o regulamento
declaro que li e concordo com o regulamento
declaro que li e concordo com o regulamento
declaro que li e concordo com o regulamento
declaro que li e concordo com o regulamento
declaro que li e concordo com o regulamento
 
  • - Preencha o campo Nome.
  • - Preencha o campo Sobrenome.
  • - Preencha o campo Origem.
  • - Preencha o campo Destino.
  • - Preencha o campo Destino ou Valor.
  • - Preencha o campo Ida.
  • - Preencha o campo Volta.
  • - Preencha o campo Localizador.
  • - Preencha o campo CPF.
  • - Preencha o campo Smiles.
  • - Preencha o campo Data do Voo.
  • - Marque o campo Declaro que li e concordo com o regulamento.
  • - Preencha o campo Número do Voo

Outubro Rosa: 5 lições de Elba Ramalho sobre o câncer de mama

12 de outubro de 2015

Cantora Elba Ramalho com guarda-chuva rosa

 

Elba Ramalho curte a plenitude depois da tempestade. A cantora está na capa da Revista da GOL de outubro, que apoia a campanha mundial Outubro Rosa, cujo objetivo é promover a conscientização sobre o câncer de mama e amplificar as informações sobre a doença. Na entrevista, Elba fala do seu renascimento durante a luta pela recuperação, vencida com a retirada de parte da mama, radioterapia, fé e muito (auto) amor. Veja os principais trechos:


No começo da reposição (hormonal), meu corpo ficou um desbunde. Eu falei ‘nossa, que maravilha’. Mas meu irmão médico dizia, ‘Elba essa sua reposição me preocupa’. A verdade é que eu acho que o médico era maluco e eu só vi isso depois. Meu corpo começou a mandar sinais estranhos: a voz perdeu o agudo, engrossou, pelos por todos os lados…

 

Quando ele (o médico) disse que era câncer eu achei que era pegadinha do Faustão. Não era possível, não tinha caso nenhum na família, como assim ‘câncer’? Eu pedia ajuda de joelhos mesmo, tenho calos nos dois até hoje. Dizia: ‘me ajuda, sozinha não estou conseguindo’. Esse ano que passei de joelhos foi transformador porque evoluí emocionalmente como nunca antes.

 

A doença, no fim das contas, foi uma benção. Eu estava num relacionamento do qual não conseguia sair, que me fazia mal. Estava aprisionada, emocionalmente abalada. E o câncer fez com que eu me reencontrasse. Tirei os melhores proveitos da doença. Saí da relação, caí de novo na minha trilha.

 

Tenho um recado para as mulheres. O câncer é uma doença comum, o nome é que é um fardo, mas não encare dessa forma. A palavra câncer tem um peso maior do que a doença. A cura depende do estado de espírito, da fé, da perseverança e, claro, da violência do câncer. O meu era agressivo, mas foi generoso.

 

Não pretendo começar outra história (de amor). Dei meu coração a mim mesma, estou inteira como nunca estive antes. É uma plenitude que não sabia que existia.

blog comments powered by Disqus

Últimos posts

Edições anteriores

Últimos tweets